Reels e TikTok: a nova linguagem da comunicação das redes sociais

31/Ago/2020

Reels e TikTok: a nova linguagem da comunicação das redes sociais

Até cerca de um ano atrás, as estratégias de comunicação nas redes sociais estavam baseadas apenas num paradigma de feed de notícias. Era, basicamente, uma lista de mensagens de texto e vídeo ordenadas da mais recente para as mais velhas geradas pelos contatos que adicionamos nas nossas redes.

Esse paradigma se encaixou muito bem por um tempo, lembrando bastante o paradigma de notícias de um jornal impresso ou de um telejornal apresentando o "pão quente" na frente e os assuntos que geram mais engajamento logo em seguida.

Não demorou para que as notícias e novidades se encaixassem no modelo, permitindo que passemos a estar informados através dos links e comentários encaminhados pelas nossas redes de relacionamento, o que reduziu drasticamente o nosso interesse em acessar os portais de notícia.

Já faz algum tempo que as descobertas das notícias nos portais já não vem mais da página de entrada, e sim de links encaminhados, o que tem deixado os gestores dos mesmos muito preocupados. Tudo indica que a audiência caminhou para as nossas redes de relacionamento on-line e não mais através da página de abertura do browser da Internet.

Os celulares têm até buscado recuperar esse processo gerando avisos de artigos de notícias diretamente nas notificações de mensagens do dispositivo para competir com as das plataformas de chat e de redes sociais, mas tudo indica que audiência não é mais algo trivial de ser imposta de cima para baixo, e sim uma escolha do público.

De repente surge um aplicativo que encanta os adolescentes com um novo paradigma, algo inovador que nasce de um software de "lip sync" no celular para, então, virar o que hoje conhecemos como TikTok.

Os conteúdos não mais seguem um paradigma de feed e passam a ser apenas uma cacofonia de sequências de vídeos curtos que buscam a nossa atenção de forma muito rápida utilizando sons e imagens. Caso a atenção não seja prendida, trivialmente empurramos para cima para receber um novo conteúdo e experimentar mais uma tentativa de conquista de nossa atenção.

Não conheço um termo para esse paradigma do TikTok que esteja em uso, então me atrevo aqui a batizar de paradigma MTV.

Mas por que MTV?

Porque é basicamente um clipe de jogo rápido de câmeras e sons de alta velocidade que captura nossa atenção por reflexo praticamente animal, mal dando tempo para a construção de uma racionalização para o valor do uso do nosso tempo com ele. Ficamos grudados e desafiados pela quantidade absurda de informação visual e sonora interessante despejada para o nosso cérebro.

Só que o paradigma MTV é muito diferente do paradigma de feed, tanto que é até mais natural para um adolescente que começa agora seus relacionamentos on-line estreando nele do que alguém que está acostumado com o paradigma de feed se adaptar a essa nova mídia.

Isso tudo poderia ser algo estranho numa terra distante, algo que ouvimos falar, como uma curiosidade de uma brincadeira de crianças e que não tem impacto na nossa vida, então decidimos ignorar.

Aí aparece o Instagram e coloca o Reels como alternativa competitiva do TikTok e joga o paradigma MTV na cara de todo mundo. Agora, o paradigma está legitimado e faz imediatamente parte as ferramentas de comunicação para toda as idades.

Pânico geral para quem busca envolver as pessoas na Internet. Reels recriou o enigma "Decifra-me ou te devoro".

Queremos agora descobrir como criar conteúdo para um ambiente onde palavras escritas têm menos peso, e que o mais relevante passa a ser brincar com a cultura pop e nos expor com movimentos coreografados ou desastrados.

É uma nova linguagem, algo que usa muito mais criatividade e a inteligência social e que vende menos a inteligência verbal.

É algo que distancia bem mais das estratégias de "pão quente" e de assunto de engajamento da imprensa, o que praticamente inviabiliza a entrada deles neste espaço. É como imaginar de que maneira o William Bonner poderia entregar uma notícia dentro de um clipe musical da Anita.

O paradigma MTV, entretanto, é excepcional para todo mundo que busca comunicar narrativas mais leves, mais humanas e de movimento. É a hora de encontrar maneiras de contar histórias que se encaixem nessa mídia.

Se tínhamos medo de entrar nas redes sociais por causa da exposição das nossas inseguranças, o paradigma MTV chega para acabar de vez com as nossas esperanças de não pagarmos micos públicos.

Você pode se esconder por um tempo e fugir dessas mudanças. Quem sabe você pode até ter sido daqueles que adiaram o uso do email, do Internet banking e das redes sociais até não ter mais jeito.

Entretanto, o TikTok e o Reels vão, provavelmente, continuar crescendo, e o enigma da esfinge vai continuar aí na sua frente: "Decifra-me ou te devoro".

  • Fábio Ferrari Fábio Ferrari