Polímatas ciborgues

26/Mai/2020

Polímatas ciborgues

A velocidade das mudanças provocadas pela Internet, especialmente no enfoque da comunicação, cresceu de forma extraordinária nesta última década.

Entendíamos a Internet como algo transformador, que permitia uma aproximação entre as pessoas e uma troca mais rápida da informação, só que o que estamos vendo é uma nova forma de olhar a nossa vida e o mundo. A Internet está criando e, ao mesmo tempo, viabilizando um novo modo de ser.

Tínhamos antigamente que nos super-especializar em disciplinas das mais variadas possíveis, tentando encontrar uma otimização para um mundo estável e controlado, e o que estamos vendo é que esta noção de estável e controlado era uma ilusão, ou no mínimo uma prepotência humana que acreditava no domínio total da natureza.

O mundo é caótico, e estamos o tempo todo buscando desculpas para as nossas falhas como governantes do mundo porque alguma anormalidade vinda do acaso não previsto (um cisne negro) invariavelmente destrói nosso orgulho de ter o controle pleno.

Esta visão mecanicista e congelada do mundo está com os dias contados pelo caos da comunicação que se instalou na Internet.

As super-especializações de visões congeladas e idealizadas de mundo estão se comoditizando e se tornando abundante, bastando apenas alguns segundos para ser encontrado em uma busca no Google. O valor que agora está ficando escasso é a habilidade de rapidamente se acomodar aos acontecimentos se aproveitando ao máximo de uma visão multidisciplinar.

A pessoa do futuro agora é um polímata (alguém que estuda de tudo) que nunca tem certeza de nada e que reage de forma racional com o máximo do que a Internet pode oferecer, tanto do conhecimento tácito codificado em textos e vídeos, quanto do poder de envolvimento e mobilização das conexões humanas.

Bastará uma geração apenas para que o mundo seja transformado por eles.

A educação convencional, que adora cultivar o processo repetitivo de treinar as pessoas para resolver problemas que existiram mas que não existem mais hoje, simplesmente não terão chance. Esta educação é simplesmente irrelevante.

A nova educação será essa replicação em larga escala dos polímatas-ciborgues, não através de estruturas acadêmicas convencionais, mas de mecanismos que a própria Matrix está já cultivando.

Os influenciadores digitais são esta primeira versão... Eles são os desbravadores que rapidamente aprenderam a se conectar na Matrix e passaram a aprender em uma velocidade inimaginável para qualquer universidade que exista hoje no mundo.

Se você procurar bem já é possível encontrar influenciador digital lidando com praticamente qualquer dilema humano real hoje. Quase como um polvo gigante, essa massa de influenciadores-polímatas-ciborgues estão rapidamente fechando os vazamentos do dique de nossos dilemas neste planeta.

Logo esta massa será tão grande que o polvo será maior que o dique, e estaremos controlando de forma totalmente caótica todos os problemas que surgirão.

Acreditávamos que precisávamos de um governo centralizador que governasse como enfrentaríamos estes problemas... A Internet está mostrando que conseguimos levantar recursos, energia humana e propósito com muito mais eficiência do que qualquer iniciativa multidisciplinar governamental.

Estes influenciadores-polímatas-ciborgues serão logo toda a população da terra, será a nossa nova evolução como homo sapiens. Tudo isso é transformador, da mesma forma que a descoberta do fogo ou da escrita.

Será tudo muito caótico... Múltiplas iniciativas diferentes, muitas vezes contraditórias, atacarão cada problema que surgir de forma diferente.

Para quem olha de fora vai parecer um desperdício enorme de esforço observar várias iniciativas dando com os burros n'água. Muitos tentarão reimpor o comando e controle para criar um comitê para tomada de decisão com base na ciência, só que não haverá violência possível que impedirá o poder dessas ações descentralizadas.

No final é disso que se trata a vida. A seleção natural está continuamente fazendo uma filtragem de diversas mutações aleatórias que surgem ao acaso, e da mesma forma veremos estes novos homo-sapiens-influenciador-polímata-ciborgues surgirem que simplesmente serão muito melhores adaptáveis ao mundo do que os homo-sapiens-desconectados.

Você vai ser o homo-sapiens-desconectado?

  • Fábio Ferrari Fábio Ferrari